sexta-feira, 26 de outubro de 2018

EU E A OAB


2018 foi um ano difícil.

Mas tudo começa em 2013, 1º semestre.  Começo a faculdade de Direito na Facos, em Osório, hoje UNICNEC. O início, como sempre, foi um encanto. E até que foi encantador mesmo, durante todo o curso. Lembrando que decidi cursar Direito devido à minha curiosidade relativa à ordem “contratual” estabelecida entre os povos desde os tempos mais remotos.

Eis, então, que chega a tão temida prova da OAB, ou Exame de Ordem.  A aprovação em tal exame habilita o ser humano a exercer a advocacia. Quem cursa Direito escuta o nome desta prova todos os dias (no meu caso, noites). Todos dizem ser uma prova muito difícil. E é. Possui duas fases: a primeira, 80 questões objetivas, onde para obter a aprovação tem que acertar no mínimo 40 questões. Vale lembrar que cai questões de quase todas as áreas do Direito (horrível).

Mas montei uma estratégia, dei uma boa estudada no verão de 2018 e fiz a prova em abril. Muita alegria. Ao sair o gabarito, no mesmo dia da prova, 8 de abril, vi que logrei êxito em 48 questões (uhuul!!!).

Agora, tinha que estudar para a segunda fase. Escolhi Direito Penal. Esta etapa do Exame de Ordem seria  mais complicada para mim, pois não possuía a prática jurídica, muito menos trabalhei como estagiário. Mas enfim, vamos lá.

Comprei um curso muito bom, o CEISC. Assisti a 45 vídeos de média de 3 horas cada um. Fiz anotações. Entrava nas madrugadas. Isto era bem tenso, pois lecionava 40 horas em duas escolas.

Aí estava se aproximando o dia da prova, 27 de maio. Porém, uns 10 dias antes, a greve dos caminhoneiros atrapalhou a distribuição das provas para todo o Brasil. Segunda fase adiada para 10 de junho. Tudo bem, vamos estudar mais.

Chegou o dia 10. Fui tranquilo. A peça era Resposta à Acusação. Peça fácil. Sim, peça fácil. Ah, a segunda fase consiste em uma peça (um pedido de advogado), baseada em um caso fornecido pela banca examinadora e 4 questões. Temos que conseguir 6 pontos para a aprovação. Como disse, a peça foi fácil. As questões também. Saí feliz. Porém, no dia seguinte, a tristeza toma conta: percebi que havia escrito as respostas das questões no local errado. Sim, fiz isso. Cada questão (1 a 4) tem uma folha específica. Fiz corrido: respondi a questão 1 na folha correta, porém a dois pus abaixo, na mesma folha, e a questão 3 e 4 respondi na folha da questão 2.

Saiu o resultado e não deu outra: reprovei. Entrei com recurso, não deu certo. Mandei o recurso à ouvidoria, não deu certo. Me restava estudar tudo de novo para a repescagem: há uma segunda oportunidade para fazer a segunda fase, em caso de reprovação, não precisando voltar à primeira fase.

Foi horrível. A primeira fase do XXVI Exame (fiz a primeira fase do XXV) era só em agosto. A segunda fase em setembro. E eu estava no meio do TCC 2 e naquela vibe de fim de ano, onde estamos mais esgotados. Mas depois do abalo, revi os vídeos (muito horrível), bem como algumas questões que me causavam mais dúvida.
Eis que chega o dia 16 de setembro. A peça era Memoriais. Um pouco mais difícil que a outra. Mas saí confiante. O resultado só sairia em 9  de outubro. Que espera mais sofrível. Mas esse dia chegou.

Com a nota de 6,95 consegui a aprovação. Muita alegria, principalmente devido às circunstâncias.
Não deixa de ser um exemplo de superação, né...

domingo, 17 de janeiro de 2016

4 x 20



Agora querem fazer uma reforma na educação básica. Depois da reforma, a educação escolar terá uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Um dos temas mais polêmicos da reforma é quanto aos conteúdos de História (CLIQUE E ENTENDA). Por que a polêmica? Porque em uma primeira análise, querem deseuropeizar o ensino e, em contrapartida, nacionalizá-lo. Partindo disto, observou-se algumas coisas das quais, para muitos especialistas, não condizem com o "bom" ensino de História. Mas bem, não entrarei aqui de forma aprofundada nesta questão. Deixo claro, entretanto, que a polêmica desencadeou um debate nacional sobre as propostas e, convenhamos, isto é fundamental para o progresso educacional de nosso país. Quanto a isto estamos de parabéns. E Obviamente que os conteúdos serão comuns nacionalmente, porém, cada região pode adaptá-los a sua realidade, e esta possibilidade está inclusive na LDB.

Porém, acredito que a reforma educacional da qual trata-se e que está em discussão, está focada, não devemos esquecer, nos conteúdos a serem tratados em sala de aula (ou outro ambiente sugerido pelo corpo docente) com nossos alunos (crianças e adolescentes).Quanto a isto, fico pensando no sucesso alcançado pela reforma na construção cidadã daqueles alunos que vivem em uma sociedade  sem propostas de reforma. Uma sociedade carente de boas intenções governamentais e ao mesmo tempo campeã em pagamento de impostos que não possuem retorno algum. Enfatizo aqui não estar levantando nenhuma bandeira partidária, muito menos referindo-me ao governo atual. O problema é histórico (História, aquela disciplina que querem reformar). Fico aqui pensando na falta de propostas de reforma na qualificação do professorado, por exemplo. Penso também na falta de propostas que incentivem egressos da educação básica a serem educadores. Pergunto-me quais seriam os principais incentivos a estes egressos... Alcanço várias respostas que poderiam, perfeitamente, ser tema de debate também no Ministério da Educação.

A escola é fundamental na construção cidadã do aluno. Porém, de forma majoritária em nossas instituições, o aluno fica no máximo 4 horas por dia no ambiente escolar. Isto quer dizer que as outras 20 horas compete à família do educando um desempenho educacional de qualidade (creio não estar cometendo nenhum exagero).  Partindo disto, pergunto-me novamente sobre o que mais, e de fato, tem de ser reformado... 

E ai, de que forma podemos ajudar?

Por Marcos Evaldt

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Oportunidades, arrependimentos e consequências

Vivemos dias de muitas oportunidades. Uma escolha, obviamente, faz você abdicar de muitas outras. Consequência: arrependimento hoje, arrependimento amanhã, arrependimento sempre. É preciso saber lidar com a nossa era. Era essa em que tudo escorre pelas mãos, em uma liquidez (lembro aqui de Zigmunt Bauman) que torna sólido hoje o que amanhã será apenas lembrança de uma satisfação instantânea. Vivemos um tempo de muito, que mal administrado transforma-se em nada no nosso amanhã cheio de faltas de tempo e de correrias. Passamos tanto tempo pensando em adquirir bens materiais, que esquecemos do nosso presente. Consequência: a vida boa, a vida sonhada, a felicidade está sempre no futuro. E isso faz do nosso presente um trampolim para o futuro feliz que está logo ali. Mas esta tal de felicidade nunca chega. O trampolim vai se deteriorando com o tempo e nossas pernas já não saltam com tanta eficiência como ontem. Já não temos tanta coragem para construir um novo trampolim, muito menos forças. O jeito é acostumar-se com o que temos e conseguimos. Nos conformamos como se tivéssemos fracassados na missão de alcançar um futuro de felicidade utópica, maquiado por bens materiais e fim de servidão ao relógio. Nos resta refletir sobre o que há de mais importante no presente e o que queremos para o nosso amanhã.

Por Marcos Evaldt 

terça-feira, 29 de julho de 2014

E se nem ele salvar?

Terça-feira, 29 de julho de 2014.
Essa data pode marcar o início de um fim que poderá gerar um novo começo. Explicarei melhor, expondo os "achômetros" e opiniões da torcida gremista dos últimos 13 anos, que fizeram muita gente boa ficar, mas também ir embora.


1ª PARTE: A SECA DE TÍTULOS E AS CRÍTICAS SEM SENTIDO
Grêmio, um time gigante, de torcida correspondente, cujas tradições futebolísticas vão além das taças levantadas dentro de campo. Porém, não se pode negar que a torcida só se sente satisfeita com títulos, e isto o Grêmio não sabe o que é desde 2001, ano em que conquistou a Copa do Brasil. A torcida, carente de taças, vem há anos culpando tudo e todos que dirigem o Grêmio. Muitas vezes culpam até a torcida, onde atribuem a seca de títulos a maneiras diferentes e anti-conservadoras de se torcer. (clique e entenda). E isso de criticar tudo, confesso, vem enchendo o saco há um bom tempo! Sempre me pergunto: o que não está dando certo? Temos um time (no papel) muito bom há anos (desde 2008, por exemplo).

2ª PARTE: DESCARTAR JOGADORES ESSENCIAIS
Portanto, vemos a incógnita na relação do Grêmio com os títulos quando percebemos que eu mesmo, crítico das críticas, escrevendo algo sobre o Grêmio, começo a reclamar e me perturbar com as dúvidas. A época não está fácil para os tricolores. Pois bem, avançando agora no assunto, lembro das críticas da torcida a jogadores que, se não eram consagrados quando vieram ao Grêmio, se consagraram no próximo time após a saída do tricolor: Jonas (ATA), Marcelo Moreno(ATA), Dida (GOL), Felipe Melo(VOL), Alessandro(LAT), Victor (GOL), Cássio (GOL), Fábio Santos (LAT), Réver (ZAG) e mais uma porção de caras que, se não corremos com xingamentos e deboches, a diretoria simplesmente descartou  sem explicação nenhuma aos torcedores. 

3ª PARTE: O FUTEBOL MUDOU FAZ TEMPO
Nos apegamos muitas vezes ao passado glorioso, onde parece que nos embriagamos com as imagens dos ídolos e nos esquecemos da dura realidade do jejum que vivemos. Isto é caso para internação. Isto serve para a vida. Fugir dos problemas é a única saída do covarde. O futebol mudou faz tempo. Só para um simples exemplo, referencie-se nos clubes brasileiros que, se não ganharam vários títulos atualmente, já estão há anos fazendo um bom trabalho. Imaginou uns 3 ou 4 clubes ai na sua mente? Bem, agora pesquise sobre como eles estão sendo dirigidos há muito tempo. Depois pesquise sobre a mentalidade da direção gremista e o que a cerca... HÁ MUUUUITO TEMPO.

4ª PARTE: TREINADOR NENHUM TEM A NOSSA CARA!
Tudo bem que muitos treinadores, desde 2001, fizeram muita caca no comando do Grêmio, porém, nos últimos 5 anos, por exemplo, quase nenhum teve o sabor do recomeço das ideologias após uma sequência ruim: Caio Júnior, Luxa, Renato... Bem, na verdade não acho mesmo que eles poderiam melhorar algo. 

5ª PARTE: A DATA DE HOJE PODERÁ SER O DIVISOR DE ÁGUAS
Jesus Cristo veio para nos salvar! Aquilo que dizem os Livros Sagrados está acontecendo hoje!
Faço essa simples brincadeira com as frases para tentar mostrar a realidade do Grêmio em referência à contratação de Luiz Felipe Scolari. Com ele, virá toda uma equipe salvadora, onde só o mais pessimista gremista poderá botar defeito: Murtosa e Ivo Wortmann. 
Temos o todo-poderoso Koff no comando geral. Temos o melhor técnico que passou pelos pampas no comando do time atual. 
Mas e se... E se não der certo? A que recorreremos? Quem xingaremos? Quem chamaremos de cone? Quem chamaremos de burro? Quem pediremos para vir? Messi, CR7, Ibra, Guardiola, Pelé, Maradona, Obama, Xuxa? 

CONCLUSÃO
Creio que a fonte de críticas ao imediatismo tenha se secado com relação ao Grêmio. Caso nem Scolari resolva, os resultados imediatos deverão ser esquecidos, e em seu lugar nossa preocupação deverá ser com  resultados a longo prazo, através da troca de mentalidades, recomeços do zero, quedas de chefões, novas alianças, novos rivais etc. 

Por Marcos Evaldt


quinta-feira, 10 de abril de 2014

Ponto de interrogação


Por que você acorda cedo e vai trabalhar? Por que você estuda à noite? Por que você trabalha, por que você estuda? Por que existe relógio? O que é hora? O tempo passa? Existe tempo? O que é tempo? A quem interessa a sua contagem? O que é época? Quem disse que o certo é a democracia? Por que disseram isso? Quem disse que você é feio? Quem disse que você é bonito? Por que disseram isso? Por que você é brasileiro? O que é ser brasileiro? O que é um país? Quem determinou isso? Por que você precisa de passaporte? Pra que usar roupas? Se um pedaço de pano qualquer te isola do frio, o que é uma roupa “de marca”? O que é cor? Pra que cota? O que é sexo frágil? Quem disse isso? Por que falar mal do time rival? O que é um clube de futebol? Pra que serve um clube de futebol? A quem ele interessa? Por que dormir à noite? O que é um governante? Pra quem ele governa? O que ele governa? O que é fronteira? A quem ela interessa? Quem ganha com ela? Do que é feita a coca-cola? Pra quem vai o dinheiro do pedágio? Como é um corpo de Miss? Por que ele é assim? Por que ele tem que ser assim? Pra que tirar cravos e espinhas? Pra que tirar as cutículas? O que é feio? O que é bonito? Por que cumprir horário? O que é ser escravo? O que tem num hospital público? O que tem num hospital privado? O que tem numa escola pública? O que tem numa escola privada? O que tem numa universidade particular? O que tem numa universidade federal? O que são leis? Quem caracterizou a ordem? A quem ela serve? Quem sofre com ela? Quem ganha com ela? Por que criticam o socialismo? Quem critica o socialismo? Por que criticam o capitalismo? Quem critica o capitalismo? Por que existe leitura obrigatória? Por que a leitura é obrigatória? O que é cultura? O que é ser culto? O que é ser rebelde? O que é ser obediente? O que é ser submisso? Quem implantou esses padrões? Por que implantou? A quem interessam esses padrões? Ser obediente é aceitar tudo ou discordar do que achar errado? Por que pagar imposto? Por que existe um presidente, um rei, um prefeito? Eles são iguais ou diferentes de nós? Qual capacidade eles têm a mais que nós? Por que mais asfalto para automotores e menos trilhos para trens? A quem isso interessa? O que é financiar uma eleição? Esse financiamento tem retorno? O que é financiamento? O que é planeta, universo, galáxia? O que existe? O que não existe? O que é? O que não é?

Por Marcos Evaldt

domingo, 23 de março de 2014

A primeira vez a gente nunca esquece

Eu, em dez de julho de dois mil e cinco (10/07/2005).
Local: Estádio Olímpico, Bairro Azenha, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.
Objetivo: ir, pela primeira vez, assistir a um jogo oficial num estádio de futebol.
Conclusão: objetivo alcançado.

10/07 foi em um domingo, mas foi no dia anterior, no sábado à noite, que recebi o convite de um amigo meu para ir ao jogo com seu pai. Eu, então adolescente, aceitei na hora.
O jogo era válido pela Série B do Campeonato Brasileiro, a qual o Grêmio conquistaria o título, meses mais tarde. O resultado do jogo, uma derrota tricolor por 2 a 1 para o Vitória-BA, pouco importou para mim, que fiquei apenas admirando tudo ao redor, dentro e fora, daquele imponente estádio, que hoje está prestes a não mais existir.

Confira o vídeo com os gols do jogo.



Por Marcos Evaldt

terça-feira, 18 de março de 2014

Todos pelo fim do mistério



Nenhum traço do voo MH370 da Malaysia Airlines foi encontrado após o desaparecimento em 8 de março, com 239 pessoas a bordo, quando fazia o trajeto Kuala Lampur – Pequim. 
Por onde anda esse avião? Será que ainda está em condições de voar? Os passageiros e tripulantes estão vivos? Quanto mistério. Já dizem ser o mais misterioso desastre da história envolvendo vidas humanas. Obviamente sabendo da dor dos amigos e familiares, deixo aqui as conclusões até aqui obtidas por leigos e especialistas. Ou melhor, troquemos a palavra “conclusões” por “chutes na lua”. Obs.: conclusões essas observadas, majoritariamente, em comentários publicados em sites de notícias do mundo todo que abordaram o desaparecimento da aeronave.

  • O avião pode ter sido sequestrado por terroristas e, consequentemente, estar agora no solo de alguma ilha da região com todos os passageiros e tripulantes “a salvo”; ou o avião, ao ser sequestrado, pode ter sido lançado ao “chão”, que na hipótese seria o oceano por onde sobrevoava.
  • O avião, ao ser sequestrado (ainda na hipótese de sequestro), teria invadido o território aéreo de outro país, o qual teria combatido e destroçado o avião forasteiro com algum míssil ou outra arma dessas de guerra que nem conhecemos ainda. Após o ocorrido, as buscas teriam se iniciado e rapidamente os destroços teriam sido encontrados no mar, onde tal informação estaria até agora sendo omitida devido a nenhum país querer assumir o ato de combate.
  • Os destroços da aeronave já teriam sido encontrados, porém o “poder mundial” teria a intenção de manter a novela das buscas para enfraquecer a ênfase na questão da anexação da Crimeia à Rússia.
  • O avião teria caído por falha motora. Sabendo disso, a empresa de aviação estaria, juntamente com o governo da Malásia, omitindo as informações e lançando ao público palpites infundados de prováveis ataques terroristas, má-fé dos pilotos, etc.
  • O avião pode ter sido abduzido por alguma força alienígena e estar agora, juntamente com os seres humanos contidos em seu interior, sob a análise de seres super inteligentes de outros planetas, outras galáxias, outros universos.
  • REALMENTE o avião ou seus destroços não foram encontrados ainda e a humanidade estaria frente à prova de sua fragilidade tecnológica: o homem foi à lua e almeja popular Marte, mas não consegue encontrar uma aeronave perdida no “quintal de casa”.

E agora, qual seria a versão correta? Uma dessas acima? Nenhuma delas? Enfim, o que se sabe é que há um grande mistério enquanto os familiares e amigos sofrem muito.

Quanto à versão correta, vamos aguardar e ver o que aconteceu, de fato.

Por Marcos Evaldt

segunda-feira, 3 de março de 2014

Carnaval e Televisão


Nos outros anos eu sai para algum lugar “pular”. Fui me divertir de alguma forma em algum lugar diferente. Digo isso para que ninguém ache que esse texto é de mais uma pessoa com “dor de cotovelo” e que fica em casa no feriado de Carnaval reclamando de quem faz festa por ai.

Leia você também as mais lidas:
10 dias úteis
Maconha no Uruguai
Mente vazia, oficina do diabo

Mas é preciso dizer: a programação carnavalesca é violenta! (nem preciso dizer aqui a emissora, né?).  1 mês antes do feriado já se começa a “entrar no clima”, a se colorir paredes, a se despir as “*lobelezas” e principalmente a se esquecer de notícias realmente relevantes para a sociedade. Bem na semana de início das festividades carnavalescas “a valer” por todo o Brasil teve uns ai que se viram livres do crime de formação de quadrilha, no caso “MENSALÃO”, que até agora é o maior esquema de corrupção já visto pelo povo brasileiro. Isto seria uma coincidência? Seria apenas uma arte do destino as respectivas datas coincidirem?

Bom, o que se sabe é que o BLOCO (vamos entrar no clima) de pessoas que estava indo às ruas reivindicar melhorias encontra-se enfraquecido em seu contingente nesta época do ano. Talvez porque os membros deste bloco encontram-se mais dispersos. Talvez uns vão festejar, outros vão visitar parentes, outros apenas aproveitam a folga para descansar. 
Pois bem, esqueçamos o mensalão e abordamos agora outras coisas.

De uma coisa eu tenho certeza: se a grade de programação se dedicasse para saúde e educação o mesmo tempo que se dedica para festa de carnaval em fevereiro e março de cada ano, você pode ter certeza, o Brasil seria outro, com certeza! E um outro melhorado, é claro. E isso que falei não é aquele discurso pronto da modinha, aquele discursinho que critica tudo; é apenas um discurso que traz o óbvio à tona. Caramba, é impressionante como se dedicam às festividades deste feriado! Impressionante como se dedicam aos bastidores dos desfiles, das elaborações das fantasias, etc, etc e etc. 

E outra, o “legal” é que não há um programa específico para os festejos, que poderia ser dirigido a quem realmente queira saber de carnaval. Não, notícias carnavalescas são nos socadas “goela abaixo” na programação infantil, em programas de entretenimento (tudo bem até) e no telejornal. É, no telejornal. 80% das notícias abordam a “alegria” do carnaval. Não existem mais hospitais lotados, escolas caindo aos pedaços, corrupção na política, cadeias lotadas, etc. É impressionante como se dedicam aos festejos... Impressionante! E quem não nota isso é porque está de ressaca! Querem que eu fale agora sobre a quantidade de dinheiro público que é injetado no carnaval? Bom, trataremos disso, quem sabe, em outra postagem.

E vamos lá, a Copa, a NOSSA COPA, está chegando!

Abraço.

Por Marcos Evaldt